RSS
 

Perfil autoritário dá margem ao assédio moral

por: Roberto Lazaro Silveira

Excelente matéria no Portal Competência. Clique aqui para ler!

 

Toda violência é psicológica na origem e no destino

por: Roberto Lazaro Silveira

“Quando se fala de violência, geralmente se faz alusão à violência física, por ser esta a expressão mais evidente da agressão corporal. Outras formas como a violência econômica, racial, religiosa, sexual, etc., em algumas ocasiões podem atuar ocultando seu caráter, desembocando, definitivamente, no avacalhamento da intenção e a liberdade humanas. Quando estas se evidenciam, se exercem também por coação física” (Silo, Obras Completas, Volume II, “Dicionário do Novo Humanismo”).

Violência é uma só que podemos classificar e partem do que podemos chamar de aparelho psiquico. A violência é uma expressão arquetípica, ou seja, se repete desde os primórdios até o presente dia assim como pode ser reconhecida mesmo quando vista entre pessoas de um idioma diferente do nosso.

Pense nisto: Um japonês após vir o filho derramando café em sua roupa dá-lhe uma bronca. Através das expressões fáciais, tonalidade da voz e sopapos, sabemos que está havendo uma certa violência, mesmo não entendendo nadinha do idioma que estão falando.

E ficamos pensando, às vezes: coitadinho do japinha! com um pai desses irá crescer revoltado, ou melhor, vai ficar traumatizado – de psicólogo e louco todo mundo tem um pouco! Vamos imaginar que o pai do japinha está repetindo o que o avô do japinha fazia. Então ele aprendeu assim e estes padrões se repetem de geração a geração.

Então a violência, ilustrada acima, pode ter partido de um completo psicológico para gerar outro complexo psicológico no sentido entrópico da coisa. Violência psicológica na origem e no destino.

Tanto as agressões físicas quanto verbais foram desencadeadas por nosso psiquismo seja com “forças” do inconsciente, pré-consciente ou consciente e terão efeitos psicológicos – as feridas cicatrizam, mas, o medo agora é de água fria também, ou seja, quem nunca ouviu que gato escaldado com água quente tem medo de água fria… então agora que leu se não havia ouvido, não me venha falar em violência física apenas, pois, até um animal dito irracional é afetado em seu “psicológico”.

E violência gera violência quem avisa amigo é! Mas tem aquela violência psicológica mesmo!… e tal… Impossível, pois, nenhuma violência é apenas psicológica. Podemos classificá-la não é? Dizem que quando os pais dizem que os filhos não prestam e que são vagabundos ou ameaçam matá-los é violência psicológica. Está certo porque como vimos acima toda violência é psicológica também.

Então podemos notar que essa violência partiu do “psicológico” (o pai está repetindo um padrão de comportamento, mas, agora as leis estão mais rígidas e a punição assim como a informação podem melhorar as coisas) dos pais e acertou o psicológico do filho utilizando as palavras como meio, logo, vamos dizer que é uma violência verbal ao “psicológico” da pessoa.

Vamos lembrar que psicológico é derivado de psiquê, que por sua vez significa alma, sendo o local onde recebemos as mais variadas formas de violência contida em outras almas ou até mesmo em seres desalmados, como é dito aos mais violêntos…

Logo podemos notar que as classificações para violência servem apenas para indicar o meio pelo qual o “psicológico” foi afetado: racismo, economicismo, machismo, feminismo, religiosismo, partidarismo, sexualismo… Que geram: Violência Escolar; Violência Doméstica; Violência no Trânsito; Violência contra Crianças… Que transferem-se de um psiquismo para outro através das balas, espadas, palavrões, ameaças, assédio, pedradas… No final das contas a violência fica gravada na alma (no “psicológico” da pessoa).


“(…) A violência penetrou em todos os aspectos da vida: se manifesta constante e cotidianamente na economia (exploração do homem pelo homem, coação do Estado, dependência material, discriminação do trabalho da mulher, trabalho infantil, imposições injustas, etc.), na política (o domínio de um ou vários partidos, o poder do chefe, o totalitarismo, a exclusão dos cidadãos na tomada de decisões, a guerra, a revolução, a luta armada pelo poder, etc.), na ideologia (implantação de critérios oficiais, proibição do livre pensamento, subordinação dos meios de comunicação, manipulação da opinião pública, propaganda de conceitos de fundo violento e discriminador que resultam cômodos à elite governante, etc.), na religião (submissão dos interesses do indivíduo aos requerimentos clericais, controle severo do pensamento, proibição de outras crenças e perseguição de hereges), na família (exploração da mulher, ditado sobre os filhos, etc.), no ensino (autoritarismos de professores, castigos corporais, proibição de programas livres de ensino, etc.), no exército (voluntarismo de chefes, obediência irreflexiva de soldados, castigos, etc.), na cultura (censura, exclusão de correntes inovadoras, proibição de editar obras, ditados da burocracia, etc.,)(…).”((Silo, Obras Completas, Volume II, “Dicionário do Novo Humanismo”).

 

Ribeirinhos de Porto Velho, vítimas das Usinas do Madeira, foram massacrados com a remoção à Nazismo!

por: Roberto Lazaro Silveira

Clique aqui para salvar meu artigo científico sobre o tema.

Modernizando as Usinas Hidrelétricas existente no Brasil, que foram construídas antes da sacanagem com o Rio Madeira, torna-se possível aumentar a produção de energia elétrica até a estratosfera. Mas, em um país do PCC/FARC/PT/PMDB/PSDB, ou seja, sem oposição, quanto vale a cultura, a natureza e a vida das minorias?

Então tomei a decisão de realizar este artigo acima em homenagem àqueles que lutam contra as excessões de uma República. O estudo comprovou através de uma análise do inconsciente dos mesmos, que os danos psicológicos possuem o potencial de destruir toda a descendência Ribeirinha por estarem ligados aos mais profundos desejos de permanência no local e usurparem o lar doce lar.

Retiraram o habitat natural, colocaram os mesmos em apartamentos minúsculos e o governo diz que irá providenciar cultura e educação para todos. Uma violência a mais, pois, não foram perguntados se queriam a nossa cultura!

 

Recurso contra Psicotécnico – Decreto nº 6.944/09 (infelizmente foi revogado)

por: Roberto Lazaro Silveira

Como psicólogo assessor jurídico dentre as minhas várias áreas de atuação, estou sendo contactado para assessorar pessoas que foram classificadas em concursos sendo submetidos à testes físicos e teóricos, no entanto, reprovadas em exames psicotécnicos. Desta forma uma breve pesquisa sobre a legalidade dos mesmos elucidou uma leituta do Decreto nº 6.944/09 que determina os limites do exame psicoténico.

O primeiro fator que o advogado deve levar em consideração ao entrar com o recurso é que o teste psicológico retrata um momento atual da vida da pessoa, mesmo os de personalidade ou projetivos, pois, um traço de personalidade pode ser mais evidenciado diante de um fator ambiental percursor de resposta extressora, então será detectado como patológico, mas, se repetir o teste em outro momento não será mais “fotografado”.

Como prova disto temos pessoas que foram reprovadas no psicotécnico em concurso da Polícia Rodoviária Federal, no entanto, em concurso posterior foram aprovadas e esta é a grande fragilidade dos testes psicoltécnicos, pois, o ser humano é capaz de superar e ter seus traços de personalidade indesejados para a profissão melhorados através de psicoterapia, exercícios físicos, terapia Bioenergética Corporal com exercícios de controle da respiração, etc…

Sendo assim como psicólogo acredito que o teste deve agir como uma maneira da entidade conhecer melhor seus novos membros aprovados em concurso e fornecer auxílio para os mesmos em determinados aspéctos ao contrário de descartá-los.

Quanto ao teste físico de resistência podemos citar como exemplo a Polícia Militar que exige ao candidato que corra determinados kilometros e faça dez barras em média, no entanto, não precisa andar muito para ver policiais barrigudões, hipertensos, diabéticos e descontrolados emocionalmente por fatores extressores incidentes no cotidiano do policial que arrisca a vida por nós.

Então se os testes físicos fossem realizados a cada seis mesês e de acordo com os resultados fosse proporcionado um programa de promoção de saúde através da contratação de uma equipe multidisciplinar composta por nutricionista, psicólogo, fisioterapêutas e pacotes de viagens para os policiais o efeito provavelmente seria melhor para a corporação do que simplismente descartar os candidados reprovados em testes físicos, e com os aprovados negligenciar estes aspectos até que os mesmos adoeçam e sejam descartados posteriormente. Fator que se compara à manutenção das viaturas por exemplo, chegam novinhas “em plena forma”, mas, sem manutenção, em pouco tempo estão sucateadas, entretanto, as viaturas não protestam.

Art. 14 do Decreto nº 6.944/09.
§ 1o O exame psicotécnico limitar-se-á à detecção de problemas psicológicos que possam vir a comprometer o exercício das atividades inerentes ao cargo ou emprego disputado no concurso.
§ 2o É vedada a realização de exame psicotécnico em concurso público para aferição de perfil profissiográfico, avaliação vocacional ou avaliação de quociente de inteligência.

Viola, contudo, a Constituição a realização de psicotécnico cujo escopo não é aferir a existência de traço de personalidade que impeça o regular exercício do cargo, mas a adequação do candidato a perfil profissional sigiloso. Mesmo quando previsto em lei, o psicotécnico deve limitar-se, sob pena de inconstitucionalidade, à verificação da existência de traço de personalidade exacerbado, patológico, ou desvio de comportamento incompatível com as atribuições do cargo.

 

A alma não cabe em um tubo de ensaio! Psicólogo = Estudante da alma; Psicoterapêuta = Terapêuta da alma!

por: Roberto Lazaro Silveira

Não é novidade que psicologia é o estudo da alma, ou seja, psi vem de psiquê que significa alma e logia de logos que significa estudo. Psicoterapêuta significa Terapêuta da Alma.

Freud notando que seus métodos médicos positivistas eram impotentes em relação às doenças mentais psicossomáticas e com alternâncias entre corpo e mente desistiu das ciências positivas tornando-se psicólogo, ou seja, deixou de lado experimentos em laboratório, pois, a alma não pode ser medida nem mesmo tornar-se um experimento científico.

O ser humano, por possuir uma alma, é maior do que isto! Por isto Freud – ao filiar-se à psicanálise – deixou de explicar e passou a acreditar.

Então é inútil retroceder, ou seja, é impossível e inútil ser psicólogo científico positivista. Quando alguém diz: Isto não é positivamente científico, poderá com certeza referir-se á psiquê e aos seus estudiosos: os psicólogos.

Entretanto o benefício da psicoterapia, ou seja, terapia da alma (psiquê) é comprovado através do testemunho e da grande procura por psicoterapia no mundo assim como a valorização e reconhecimento da psicologia em diversos setores como direito, educação, etc.

Após algumas sessões a pessoa geralmente retoma o controle de sua vida, melhora, através do autoconhecimento proporcionada pela análise fica mais fácil resolver seus problemas cotidianos.

Pense nisto: uma pessoa melhorou bastante e está satisfeita com os efeitos da terapia da alma (psicoterapia) Como? Perguntaram para ela.

Ela responde: Através do diálogo com o terapêuta e de exercícios de bioenergética, técnicas de respiração, hipnose: Terapia de Memórias Profundas etc… Reiki em conjunto com psicoterapia. Outra pessoa também melhora com outro terapêuta da alma (psicoterapêuta) Como?

Ela responde: O psicoterapêuta correlacionou minha psiquê a quatro deuses mitológicos e desta forma pôde me fornecer o autoconhecimento necessário para que eu conseguisse vencer os psicotrópicos e tomar posse de uma vida saudável através do autoconhecimento proporcionado pela brilhante psicóloga Junguiana.

===ciência negativa com efeitos positivos===

Jung alertava seus discípulos: “Diante de outro ser Humano esqueça tudo que aprendeu sobre terapia e seja somente outro ser Humano”. Então esta é a chave para o sucesso, ninguém será capaz de explicar como, muito menos científicamente, mas, todos podem ouvir os testemunhos de pessoas beneficiadas pelos terapêutas da Alma Humana.

Houve tentativas de demonstrar, explicar ou comprovar por parte de alguns “”psicólogos”". Esta característica – positivista – é comum aos Behaveurista ou Comportamentalistas os quais se dizem científicos. Veja algumas das mais desastrosas tentativas de colocar a alma em tubo de ensaio:

DAVID REIMER
Em 1965 um menino nasceu no Canadá com o nome de David Reimer. Com oito meses de idade ele recebeu um procedimento comum, uma circuncisão. Infelizmente, durante o processo o seu pênis foi severamente queimado por casa do cauterizador que foi utilizado no lugar de um bisturi.

Quando seus pais visitaram o psicólogo John Money, ele sugeriu uma solução simples para um problema complicado: uma mudança de sexo. Seus pais estavam perturbados pela situação, mas finalmente concordaram com o procedimento. Eles não sabiam que a intenção verdadeira do terapeuta era provar que a criação e não a natureza determinava a identidade sexual. Para o seu próprio ganho pessoal ele decidiu usar David como o seu estudo de caso privado.

David, agora com o nome Brenda, teve uma vagina construída e recebia suplementos hormonais. John disse que seu experimento foi um sucesso, ignorando os efeitos negativos da cirurgia de Brenda. Ela agia como um menino e tinha sentimentos confusos e conflitantes sobre uma série de tópicos. O pior é que seus pais não o informaram do acidente de infância. Isso causou um tremor na família. A mãe de Brenda era suicida, o pai alcoólatra e seu irmão era extremamente depressivo.

Finalmente os pais de Brenda contaram sobre seu verdadeiro sexo quando ela tinha 14 anos de idade. Ela decidiu então tornar-se David novamente e parou de tomar estrogênio, e fez uma reconstrução peniana. John não reportou outro resultado insistindo que seu experimento havia sido um sucesso, deixando de fora muitos fatos sobre a luta de David sobre sua identidade sexual. Em 2004, então com 38 anos, David tirou a própria vida.

ESTUDO MONSTRUOSO
Em 1939, 22 crianças órfãs foram submetidas a experimentos por Wendell Johnson, da Universidade do Iowa, EUA. Ele escolheu Mary Tudor, sua estudante de graduação, para conduzir os experimentos e apenas supervisionou a pesquisa.

Depois de separar as crianças em grupos um grupo experimental e outro de controle, Mary falou para um grupo de crianças sobre a boa fluência de suas maneiras de falar as elogiando, isso é chamado de terapia da fala positiva, em tradução literal. Em seguida ela fez o oposto com as outras crianças, depreciando-as por cada imperfeição da sua fala e dizendo que elas eram gagas.

Muitas das crianças que receberam o tratamento negativo no experimento sofreram de efeitos psicológicos negativos e outras tiveram problemas de fala durante toda a vida.

Apelidado de “Estudo Monstruoso” por alguns dos colegas de Wendell, que ficaram horrorizados com o fato de que ele havia feito experimentos em crianças para provar uma teoria. O experimento foi ocultado por medo de que ferisse a reputação de Wendell se fosse ligado aos experimentos realizados em humanos durante a Segunda Guerra Mundial. A Universidade de Iowa se desculpou publicamente pelo estudo em 2001.

PEQUENO ALBERT

Em 1920, quando começaram os experimentos, o pequeno Albert era um bebê de nove meses. O doutor John B. Watson (comportamentalista) e sua ajudante Rosalie Rayner pegaram o filho de uma das enfermeiras de sua universidade sem seu consentimento e submeteram-no a todo tipo de teste para condicionar sua conduta da maneira que Pavlov (outro comportamentalista) tinha condicionado seus cães.

Em uma primeira fase dos experimentos, cujas gravações ainda existem até hoje, o doutor ensinava o bebê uma série de animais e objetos para demonstrar que não causariam nenhum temor. Depois, enquanto o garoto se familiarizava com um pequeno rato branco, a assistente produzia um ruído estrondoso com uma barra metálica atrás de sua cabeça, de modo que o menino associasse a presença do animal com o terrível susto.

Nas seguintes sessões, os experimentadores descobriram que o menino não só chorava ante a simples visão do ratinho, senão que reagia com o mesmo medo ante os outros animais como coelhos, cães e macacos que antes não lhe assustavam. E Watson chegou ao resultado como parte da demonstração de que o condicionamento de Pavlov também funcionava em humanos.

Os experimentos daquele comportamentalista, no entanto, foram interrompidos quando a mãe de Albert levou a criança do hospital e desapareceu sem deixar rastro.

Então vou afirmar: “Existe uma alma entre o ambiente e o sujeito”. Roberto Lázaro Silveira.

 

Psiquiatria: Uma Indústria da Morte

por: Roberto Lazaro Silveira

A evolução dos métodos relacionados nos vídeos evoluíram para os medicamentos psicotrópicos que nunca ofereceram uma cura se quer desde que foram inventados até os dias atuais segundo a Comissão dos Direitos Humanos. Segundo a mesma comissão ainda existe a manipulação de pesquisas feita pelos grandes laboratórios. Vale a pena conferir o documentário!

A evolução dos métodos relacionados nos vídeos evoluíram para os medicamentos psicotrópicos que nunca ofereceram uma cura se quer desde que foram inventados até os dias atuais segundo a Comissão dos Direitos Humanos. Segundo a mesma comissão ainda existe a manipulação de pesquisas feita pelos grandes laboratórios. Vale a pena conferir o documentário!

A evolução dos métodos relacionados nos vídeos evoluíram para os medicamentos psicotrópicos que nunca ofereceram uma cura se quer desde que foram inventados até os dias atuais segundo a Comissão dos Direitos Humanos. Segundo a mesma comissão ainda existe a manipulação de pesquisas feita pelos grandes laboratórios. Vale a pena conferir o documentário!

A evolução dos métodos relacionados nos vídeos evoluíram para os medicamentos psicotrópicos que nunca ofereceram uma cura se quer desde que foram inventados até os dias atuais segundo a Comissão dos Direitos Humanos. Segundo a mesma comissão ainda existe a manipulação de pesquisas feita pelos grandes laboratórios. Vale a pena conferir o documentário!

A evolução dos métodos relacionados nos vídeos evoluíram para os medicamentos psicotrópicos que nunca ofereceram uma cura se quer desde que foram inventados até os dias atuais segundo a Comissão dos Direitos Humanos. Segundo a mesma comissão ainda existe a manipulação de pesquisas feita pelos grandes laboratórios. Vale a pena conferir o documentário!

A evolução dos métodos relacionados nos vídeos evoluíram para os medicamentos psicotrópicos que nunca ofereceram uma cura se quer desde que foram inventados até os dias atuais segundo a Comissão dos Direitos Humanos. Segundo a mesma comissão ainda existe a manipulação de pesquisas feita pelos grandes laboratórios. Vale a pena conferir o documentário!

A evolução dos métodos relacionados nos vídeos evoluíram para os medicamentos psicotrópicos que nunca ofereceram uma cura se quer desde que foram inventados até os dias atuais segundo a Comissão dos Direitos Humanos. Segundo a mesma comissão ainda existe a manipulação de pesquisas feita pelos grandes laboratórios. Vale a pena conferir o documentário!

A evolução dos métodos relacionados nos vídeos evoluíram para os medicamentos psicotrópicos que nunca ofereceram uma cura se quer desde que foram inventados até os dias atuais segundo a Comissão dos Direitos Humanos. Segundo a mesma comissão ainda existe a manipulação de pesquisas feita pelos grandes laboratórios. Vale a pena conferir o documentário!

A evolução dos métodos relacionados nos vídeos evoluíram para os medicamentos psicotrópicos que nunca ofereceram uma cura se quer desde que foram inventados até os dias atuais segundo a Comissão dos Direitos Humanos. Segundo a mesma comissão ainda existe a manipulação de pesquisas feita pelos grandes laboratórios. Vale a pena conferir o documentário!

A evolução dos métodos relacionados nos vídeos evoluíram para os medicamentos psicotrópicos que nunca ofereceram uma cura se quer desde que foram inventados até os dias atuais segundo a Comissão dos Direitos Humanos. Segundo a mesma comissão ainda existe a manipulação de pesquisas feita pelos grandes laboratórios. Vale a pena conferir o documentário!

A evolução dos métodos relacionados nos vídeos evoluíram para os medicamentos psicotrópicos que nunca ofereceram uma cura se quer desde que foram inventados até os dias atuais segundo a Comissão dos Direitos Humanos. Segundo a mesma comissão ainda existe a manipulação de pesquisas feita pelos grandes laboratórios. Vale a pena conferir o documentário!

A evolução dos métodos relacionados nos vídeos evoluíram para os medicamentos psicotrópicos que nunca ofereceram uma cura se quer desde que foram inventados até os dias atuais segundo a Comissão dos Direitos Humanos. Segundo a mesma comissão ainda existe a manipulação de pesquisas feita pelos grandes laboratórios. Vale a pena conferir o documentário!